CR5150NM - Núcleo de Radioamadores da Armada

Ir para o conteúdo

CR5150NM

Activações do NRA

Em 2013 o Museu de Marinha comemora  150 anos desde a sua fundação por El-Rei D. Luis. Celebrando este evento, realiza-se o Congresso Internacional de Museus Marítimos, no período de 08 - 14 de Setembro.
O Núcleo de Radioamadores da Armada  foi convidado a participar neste evento. Para tal solicitámos o indicativo especial CR5150NM
. A actividade decorrerá durante os dias do Congresso. A nossa estação estará operativa em todas as bandas e nos modos de CW, SSB e PSK31.
Para o efeito o Núcleo de Radioamadores da Armada contará com um equipa de pelo menos três operadores por dia.


Historial do museu

Foi o Rei D. Luís, o único monarca português que comandou navios, quem começou por escrever a história do Museu de Marinha. A 22 de
Julho de 1863, decreta a constituição de uma coleção de testemunhos relacionados com a atividade marítima portuguesa. Este museu nasce da vontade manifestada por este monarca, de enorme sensibilidade artística e cultural, em conservar um passado histórico, tão presente, ainda, na memória coletiva nacional.

Mas o Museu também reflete o louvável esforço de preservação, que se observou durante os séculos XVI e XVII. Foi o caso da Rainha D. Maria II, que em muito contribuiu para a constituição do núcleo de peças inicial deste museu, ao oferecer à Real Academia dos Guardas-Marinha - predecessora da Escola Naval - os modelos de navios existentes no Palácio da Ajuda.



Antiga Escola Naval

A Escola Naval, então situada nas instalações do Antigo Arsenal da Marinha, surge como o local possível para albergar este tesouro histórico que, entretanto, começou a ser alvo de um interessante trabalho de pesquisa e musealização, liderado pelo seu Diretor Comandante Joaquim Pedro Celestino Soares.

Entretanto, inúmeras diligências são efetuadas, desde a concentração e conservação da coleção junto da Biblioteca de Marinha, até à tentativa de criação e instalação de um Museu Nacional de Marinha, entregue à direção da Liga Naval Portuguesa, em 1909. Tal instalação nunca chegou a efetuar-se.

Em 1916, um incêndio de grandes proporções, destrói grande parte da coleção entretanto reunida.

O Museu Naval Português assume-se como projeto museológico decorrente da antiga coleção, começada a reunir desde o século XVIII, tomando forma a partir de 1934, albergado provisoriamente na Escola Naval, torna-se uma componente ativa de formação. É, também, neste mesmo ano que se cria uma comissão instaladora para conceber o anteprojeto e o programa de obras do edifício anexo ao Mosteiro dos Jerónimos.

Falar da história do Museu de Marinha significa, também, falar do seu grande benemérito Henrique Maufroy de Seixas. Assume uma importância vital para esta instituição, ao legar em testamento, em 1948, a sua vasta e valiosa coleção particular, a que chamou de Museu Naval.



Palácio dos Condes Farrobo

O clausulado do testamento, obrigava a que fosse encontrado um imóvel suficientemente digno e preparado para receber e exibir esta  coleção, para o qual o Mosteiro dos Jerónimos, por todo o seu carácter histórico e simbólico, se propôs como opção ideal. Contudo, este acervo museológico acabou por ser instalado na Biblioteca e Museu de Marinha tendo sido, posteriormente, transferido para o Palácio dos Condes de Farrobo (Palácio das Laranjeiras) onde  permaneceu, provisoriamente, entre 1949 e 1962.

Após promulgação e reestruturação orgânica do museu e seu regulamento, em 1959, estavam reunidas as condições para iniciar uma nova e derradeira etapa na vida desta instituição.

Foi, pois, a 15 de Agosto de 1962 que o Museu de Marinha abriu oficialmente as suas portas, nas alas norte e poente do Mosteiro dos Jerónimos, junto do qual se construiu, mais tarde, um amplo pavilhão para exposição das galeotas e um complexo destinado à direção e serviços.

Rodeado de enorme solenidade, este momento foi o culminar da concretização de um antigo sonho. No dia da sua inauguração foi publicado no Diário de Notícias, com direito a destaque de primeira página, o seguinte: «Com a presença do chefe de Estado e em cerimónia de envergadura, sobejamente justificada pela importância e pelo significado português de tudo quanto está relacionado com os oceanos, é hoje inaugurado o Museu de Marinha.»
Volvidos mais de cem anos desde a sua criação por decreto, o Museu de Marinha, repousando junto ao Tejo, estava finalmente em casa.
Desde então, o Museu de Marinha tornou-se um dos mais importantes,  reconhecidos e visitados museus portugueses.

Voltar para o conteúdo